CARNE BRANCA VS CARNE VERMELHA

Qual a melhor?

carne-vermelha-e-branca

Por: Thunder

As principais diferenças entre as duas estão relacionadas à textura, composição e pigmentação, que dependem da espécie, idade, sexo, alimentação, atividade física e habitat do animal de que se originaram.

O termo carne branca se refere às carnes de origem de aves e peixes, ainda que a categorização da carne porco não tenha chegado a um consenso.

Ainda que as chamadas carnes brancas sejam uma fonte de ômega 3 e 6, bem como de ácidos graxos, o consumo das chamadas “carnes brancas” já é apontado como algo potencialmente perigoso. Um estudo publicado no British Journal of Nutrition, por exemplo, estudou a dieta de cidadãos escandinavos cujas dietas eram ricas em peixes e apontou que elas elevavam de maneira significativa risco de um derrame.

Com uma grande redução no tempo de abate das aves, que caiu de cerca de 6 meses para apenas 45 dias, a crença no uso de hormônios de crescimento ganhou força, sendo recorrentes os alertas sobre os “frangos cheios de hormônios” como um potencial perigo à saúde. Contudo, tais substâncias não são empregadas na avicultura, mas sim o uso de compostos promotores de crescimento produzidos pela indústria farmacêutica. Andréa Machado Leal Ribeiro, coordenadora do laboratório de nutrição animal do departamento de zootecnia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, diz que “é um grande mal-entendido. Não existe nenhuma possibilidade de haver uso de hormônio em frangos de corte. Os animais não respondem a essa substância, e ela não é viável economicamente”. Apesar disso, o uso de promotores de crescimento é proibido em muitos países da Europa, uma vez que eles podem contribuir para a resistência das bactérias aos antibióticos, tornando os remédios desse tipo ineficazes para doenças humanas.

Já a quantidade de calorias varia conforme o teor de gordura da carne. Por exemplo: um bife médio de carne bovina magra de aproximadamente 100 gramas contém 146 kcal. Essa mesma quantidade de carne de galinha magra contém 124 kcal e de peixe surubim, 107 kcal, segundo a Tabela de Composição de Alimentos, do IBGE.

Fala-se muito que a carne bovina aumenta o nível de colesterol no sangue. Pesquisas realizadas nos Estados Unidos (Davidson et al.: Archives of Internal Medicine, 139: 1331-1138, 1999), porém, mostram que não há diferença entre a carne vermelha (bovina e suína) e a branca (de ave ou de peixe) quanto a isso. O que acontece é que, geralmente, quando consumimos carne vermelha, consumimos também uma quantidade maior de gordura saturada, aquela que acompanha muitos cortes de carne, como a picanha, por exemplo. Esta, sim, é a maior responsável pelo aumento do nível de colesterol.

O consumo regular e em pequenas quantidades de carne vermelha magra é essencial – principalmente para as crianças e para as mulheres em período pré-menstrual, a fim de que haja suprimento adequado de minerais como ferro e zinco e de vitaminas, assim como é importantíssimo também inserir na nossa dieta peixes e aves e preferir assar e cozinhar a carne em vez de fritá-la. Assim, teremos uma alimentação equilibrada e saudável.

Embora todo mundo logo associe carne vermelha a gordura, ela está longe de ser seu principal componente. Em princípio todo bife é suculento, já que cerca de 75% dele é pura água. O restante – além das sempre lembradas gorduras – são proteínas, minerais e vitaminas. Aliás, tem uma vitamina que só alimento de origem animal é capaz de nos oferecer: a B12, essencial para a memória e para o aproveitamento do ferro, proveniente da própria carne ou de outros alimentos. E a vermelha é campeã em B12.

Por falar no ferro, a carne vermelha também é a sua melhor fonte. “A absorção do ferro das carnes é seis vezes maior do que o de vegetais”, calcula a nutricionista Semíramis Álvares, professora da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Campinas, interior paulista. Isso porque nos vegetais a concorrência é desleal – o ferro convive com outras moléculas que atrapalham seu aproveitamento. “Elas o deixam menos solúvel e mais difícil de atravessar a parede do intestino”, descreve Semíramis.

Na falta desse mineral, sobra cansaço, um dos sintomas da anemia. “A produtividade cai 5% no mínimo”, garante o nutrólogo e cardiologista Daniel Magnoni. A carência também está associada ao aumento de infecções. Ora, o ferro é fundamental para as células de defesa – aí, faz dobradinha com o zinco, outro mineral da carne vermelha que dá força ao sistema imunológico.

Veja abaixo alguns nutrientes dos diferentes tipos de carne:

Tipo de carne Calorias Proteínas Gorduras

Coxa de frango – 1 (média) 161 kcal 18,09 g 9,32 g

Galeto assado – ½ unidade 206 kcal 20,20 g 11,00 g

Peito de peru – 3 fatias 103 kcal 21,66 g 1,53 g

Carne moída – 3 colheres de sopa 226 kcal 30,80 g 14,10 g

Bife de patinho – 1 (médio) 118 kcal 20,27 g 4,02 g

Medalhão de filé mignon – 1 unidade 336 kcal 11,50 g 34,10 g

Bisteca suína assada – 2 unidades 137 kcal 20,6 g 5,66 g

Lombo suíno assado – 2 fatias 208 kcal 19,38 g 14,49 g

Linguiça frita – 2 unidades 364 kcal 12,70 g 32,40 g

Cação ensopado – 2 postas 88 kcal 19,56 g 1,10 g

Truta assada – 2 pedaços 196 kcal 23,50 g 11,20 g

Camarão no vapor – 5 unidades 81 kcal 16,78 g 1,55 g

Os dois tipos de carnes se complementam já que algumas vitaminas são encontradas apenas em um dos tipos, então uma ingestão equilibrada de ambas além de variar o cardápio das nossas dietas, irão nos ajudar diretamente nos ganhos de massa muscular e a mantermos por mais tempo nossas dietas.

Fonte: treino.org

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s