SISSY SQUAT

Agachamento na ponta dos pés, usar ou não em seu treino?

Sissy Squat 250416

Por: Sandro Lenzi

O treinamento físico, principalmente visando à hipertrofia, sofreu muitos avanços nos últimos anos, no que se referem a métodos, pesquisas, materiais e complementos, sendo que muitas vezes, alguns exercícios que eram usados pela “velha guarda” da musculação e do fisiculturismo, são deixados de lado. Este é o caso do Sissy Squat, que hoje não é mais tão usado, mas que em determinados contextos, pode sim ser de grande valia.

O Sissy Squat, ou agachamento na ponta dos pés, ainda tem um outro agravante, onde diversos profissionais, sem o devido conhecimento, afirmam que ele é lesivo ao joelho, por projetá-lo a frente da linha da ponta do pé. Por ser um assunto bastante complexo, vou me aprofundar nele mais adiante. O que posso afirmar, é que ele, dentro do contexto certo, é sim de grande valia.

Análise cinesiológica do Sissy Squat

Com o intuito de tornar este artigo mais completo, vamos analisar primeiro como deve ser a execução correta do Sissy Squat, avaliando quais os músculos que são de fato ativados, para depois avaliarmos o contexto em que ele pode ser inserido. Quanto a técnica de execução, você deve permanecer em pé, e sempre manter um dos braços em uma base, para que você não se desequilibre na parte final do movimento, que projeta seu centro de gravidade para a frente. Durante a execução do Sissy Squat é fundamental que o tronco permaneça estável e sem oscilações. Para que se obtenha uma maior intensidade, caso o peso do corpo já não seja o bastante, pode-se utilizar anilhas para aumentar a sobrecarga. Para uma execução correta, incline o tronco para trás, de forma que seus joelhos fiquem flexionados. Depois, estenda seus joelhos, até retornar a posição inicial.
Os músculos a serem trabalhados neste exercício, são basicamente os músculos localizados na porção anterior da coxa, que compõe o quadríceps femoral (vasto medial, reto femoral, vasto intermédio e vasto lateral). Músculos como isquiotibiais (porção posterior da coxa) e glúteos, tem apenas ativação na estabilização do movimento. Segundo estudos de Franco (2010) ao avaliar a ativação eletromiográfica deste exercício, comprovou um estímulo de cerca de 65% sobre o vasto medial e de 44% sobre o reto femoral, sendo que desta maneira, este é um exercício bastante intenso e muito eficiente para o fortalecimento e hipertrofia de quadríceps. Porém, muitos deixam de utilizá-lo, sob a alcunha de que ele proporciona um grande atrito entre o tendão patelar e a patela. Mas isso requer um estudo mais aprofundado do tema.

Sissy Squat é lesivo?

Um dos pontos que fazem com que este exercício seja pouco executado é a sua suposta pré-disposição a lesões. A grande questão que “embasa” este pensamento, é que a projeção do joelho para frente da ponta do pé causaria um maior atrito da patela com o tendão patelar. Dizer que isto não ocorre, seria mentira, porém, afirmar que isso vai trazer lesões a qualquer um, também seria. Se formos avaliar esta questão, temos de mencionar o caso de uma população de mais de um bilhão de pessoas, que faz isso constantemente, os indianos. É muito comum entre os povos da Índia, a prática de um exercício chamado de Bethaks, que consiste em um agachamento profundo, onde ocorre uma projeção do joelho a frente e o calcanhar é elevado, tocando os glúteos no fim do movimento. Este é o agachamento Hindu, que aparentemente foi popularizado nesta região pelo lutador indiano Gama, que segundo alguns registros, fazia milhares de repetições deste exercício. Outro famoso lutador que usava este tipo de exercício foi Bruce Lee, que em sua biografia relata que aderiu a este exercício, depois de saber das façanhas de Gama. Isso não quer dizer, de maneira alguma, que toda e qualquer pessoa possa fazer este movimento, pois uma instabilidade articular no que se refere aos ligamentos cruzados e ao tendão patelar, podem sim trazer lesões.

Além disso, se formos tomar apenas este ponto de vista como base para excluir o Sissy Squat da rotina de exercícios, também teremos que retirar exercícios como cadeira extensora e agachamento profundo, pois estes também geram o denominado atrito.

O que quero deixar claro, é que isso não significa que ninguém possa executar o Sissy Squat e que ele deve ser proibido em qualquer academia. Como falei no início deste artigo, o que deve ser avaliado é o contexto do treinamento, pois existem certos praticantes que podem ter grandes avanços no volume de seus quadríceps com a correta utilização do Sissy Squat.

Público indicado para a utilização do Sissy Squat.

O perfil de praticante que pode usar o Sissy Squat em sua rotina de exercícios, é composto por pessoas com um bom nível de treinamento. Iniciantes, por sua característica instabilidade articular, não devem usar este exercício. Tanto que este exercício ganhou notoriedade através dos fisiculturistas e não de iniciantes. Ele é bastante intenso e pode muito bem, ser intercalado com outros exercícios específicos, como a cadeira extensora, para compor um Drop-set.

Enfim, o exercício em questão é muito bom e eficiente, desde que seja usado pelas pessoas corretas. Se você treina a menos de um ano e meio, não aconselho você a usá-lo, assim como não aconselho alguém que não mantém um estilo de vida, que treina corretamente, a utilizá-lo. Se este não for seu caso, converse com seu professor ou treinador sobre a hipótese de usar o Sissy Squat para intensificar seu treino de pernas. Bons treinos!

Fonte: http://www.treinomestre.com.br/

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s